Últimos
Capa » Notícias » Política » Estadual » Agência Idaron coíbe o uso de cama de frango na alimentação de ruminantes
Agência Idaron coíbe o uso de cama de frango na alimentação de ruminantes

Agência Idaron coíbe o uso de cama de frango na alimentação de ruminantes

Em agosto deste ano, o Escritório local da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron) de Rolim de Moura, recebeu uma denúncia sobre uma propriedade que estava alimentando o rebanho bovino com cama de frango. Essa informação foi apurada por fiscais da Idaron, quando foi comprovado o fornecimento desse produto, a 184 bovinos, 21 ovinos e cinco bubalinos.
A partir dessa confirmação, iniciaram todos os procedimentos de fiscalização conforme a legislação em vigor, interditando a propriedade, coletando amostras do alimento para confirmação laboratorial e identificando individualmente todos os ruminantes que tiveram acesso a cama de frango. As análises realizadas, em Laboratório Oficial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), confirmaram o uso do alimento proibido.
A partir desse momento, iniciou-se o procedimento de abate sanitário em frigorífico com inspeção federal dos animais sacrificados e enterrados na propriedade. Além do abate sanitário dos animais, o proprietário recebeu Auto de Infração com multa de mais de R$ 240 mil, por essa infração, ou seja, mais de R$ 1.100 por animal que teve acesso a esse subproduto.

Encefalopatia Espongiforme Bovina

O surgimento no Reino Unido em 1986, da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como “Doença da Vaca Louca”, causou enormes prejuízos para a pecuária. Os bovinos adquirem essa doença ingerindo alimentos que contêm proteína e gordura de origem animal, como a farinha de carne e ossos, entre outros. A partir disso, foi proibido no mundo inteiro, o fornecimento desses alimentos aos ruminantes. Além de acometer os bovinos, muitas pessoas no mundo morreram dessa enfermidade por se alimentar da carne de animais contaminados.
No Brasil, desde 1996, é proibido o uso dessas farinhas de origem animal, inclusive a cama de frango, na alimentação dos ruminantes. A proibição da cama de frango se deve ao fato de a ração das aves conter farinha de carne e ossos, e quando o frango está se alimentando no comedouro, derrama parte da ração na cama. Além disso, cerca de 30% da ração ingerida pelo frango são excretados junto com as fezes sem sofrer digestão, sendo depositada na cama.
O Brasil tem o reconhecimento internacional de país com “Risco Insignificante para EEB” que é a melhor classificação sanitária para a Doença da Vaca Louca. Essa condição não mudou, mesmo com a detecção do agente causador dessa doença em uma vaca no Paraná.
A diretora técnica da Agência Idaron Caroline Araújo Cadamuro, esclarece que a Agência vem desempenhando um grande trabalho de fiscalização, por determinação do Governador Confúcio Moura. “A Idaron realiza rotineiramente fiscalizações que visam coibir o fornecimento desses produtos proibidos na alimentação de ruminantes e orienta a todos a denunciarem à Idaron caso alguma propriedade esteja utilizando produtos proibidos na alimentação de ruminantes”, informa a diretora Técnica da Agência Idaron, Caroline Araújo Cadamuro.
A Agência Idaron será firme na coibição do uso de alimentos proibidos para ruminantes, especialmente a cama de frango. “Não toleraremos essa prática em Rondônia e devemos mostrar ao mundo que a nossa carne provém de animais saudáveis e que não põe em risco a saúde animal e humana”, afirma o presidente da Idaron , Marcelo Henrique de Lima Borges.

Fonte: Elaine Barbosa – Assessoria Idaron
Foto:  Arquivo/Idaron