Últimos
Capa » Notícias » Amazonas tem aumento de 139,6% em homicídios de mulheres em dez anos
Amazonas tem aumento de 139,6% em homicídios de mulheres em dez anos

Amazonas tem aumento de 139,6% em homicídios de mulheres em dez anos

Dado é do Atlas da Violência 2017. Segundo a pesquisa, 838 mulheres foram mortas de 2005 a 2015
O Amazonas é o 4º estado do Brasil com maior crescimento de homicídios de mulheres.  O dado é do Atlas da Violência 2017, divulgado nesta segunda-feira (5), e traz informações de 2005 a 2015. Comparando os dados nesse período, a porcentagem de alta chegou a 139,6%, fazendo com que o estado perdesse apenas para Roraima, Maranhão e Sergipe.
Em 2005, 48 mulheres foram assassinadas, ao passo que em 2015 elas foram 115 vítimas. No total, 838 mulheres acabaram sendo vítimas.
Um dos casos que ganhou grande repercussão na última semana foi a morte da professora Maria Lídia França de Lima, de 34 anos, assassinada em Tefé. Segundo a polícia, o marido ateou fogo na vítima após uma briga. O caso ocorreu no dia 27 do mês passado e a vítima veio a óbito na quinta-feira (1).
O assassinato da professora foi apontado por lideranças de movimentos de mulheres como um feminicídio, que é quando a vítima é morta apenas por ser mulher. No entanto, o Atlas da Violência esclarece que não é possível identificar se a parcela corresponde às vítimas de feminicídios, uma vez que a base de dados não fornece a informação.
“Os dados apresentados revelam um quadro grave, e indicam também que muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas. Em inúmeros casos, até chegar a ser vítima de uma violência fatal, essa mulher é vítima de uma série de outras violências de gênero, como bem especifica a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06). A violência psicológica, patrimonial, física ou sexual, em um movimento de agravamento crescente, muitas vezes, antecede o desfecho fatal”, destacou o Atlas da Violência.
Em relação à taxa de homicídios de mulheres negras, o Amazonas apresentou crescimento de 102,8% em dez anos, saindo de uma média de 3,2 a cada 100 mil habitantes para 6,4.

Fonte:Oswaldo Neto
Manaus (AM)