Início » Destaques » Ao deixar Israel, Bolsonaro diz que jogará ‘pesado na Previdência’
Presidente da República, Jair Bolsonaro durante partida de Israel (foto: Alan Santos/PR).

Ao deixar Israel, Bolsonaro diz que jogará ‘pesado na Previdência’

Presidente também disse que o Congresso é soberano e que dificilmente a proposta passará sem alterações

Jerusalém, Israel – Após concluir a viagem a Israel, o presidente da República, Jair Bolsonaro, embarcou de volta ao Brasil, nesta quarta-feira (3/4). Antes da partida, ele atendeu a imprensa ainda no hotel e falou sobre o foco no retorno ao país, principalmente em torno da reforma da Previdência. A jornada de volta dura cerca de 20 horas.

O presidente negou, no entanto, que a antecipação da volta ao Brasil tenha alguma relação com a articulação. “São poucas horas. Isso não tem nada a ver. A previsão é de chegar na quinta-feira (4/4), às 6h da manhã. Não dá para conversar com ninguém nesse horário. Missão comprida aqui, tenho audiência às 8h”, afirma.

Bolsonaro disse também que conhece a maioria dos parlamentares e não tem problema em dialogar com eles. “[O foco] agora é a Previdência. Vamos jogar pesado na [reforma da] Previdência, porque é um marco. Se der certo, tem tudo para fazer o Brasil decolar”, afirma.
O chefe do Planalto também disse que o Congresso é soberano e que dificilmente a proposta passa sem alterações. “Gostaria que passasse como chegou, mas nós sabemos que terá mudanças. Não existem projetos sem mudanças, é coisa rara. O deputado, na ponta da linha, sabe onde o calo aperta. A boa Previdência é a que passa. Quem vai bater o pênalti é a Câmara e, depois, o Senado”, aponta.
Encontro com Maia

Jair Bolsonaro também afirmou que pode encontrar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para conversar. Segundo ele, quem prepara o encontro é o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em um jantar na sexta-feira (5/4).

O presidente, porém, não confirmou presença. “Estou com 64 anos, não dá para ter uma batida dessas. Complica, de repente estou com problemas de saúde”, alega. Em seguida, ele lembrou da época do Exército. “Sou paraquedista e sei do desgaste que é subir e saltar”, afirmou.

Mas ele afirmou que o encontro pode acontecer na capital do país. “Estou disposto a conversar. Posso ir até na casa do Maia. Até converso particularmente com ele, sem problema nenhum”, disse.

MP para impulsionar empregos

Sem entrar em detalhes, Bolsonaro confirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, trabalha em uma medida provisória (MP) para impulsionar a geração de emprego. “Está na Casa Civil. Tem termo que eu não entendo, mas pelas pessoas da Economia que conversaram comigo, tem tudo para tirar o Estado de cima do empreendedor”, afirma.

Ao ser questionado sobre as metas dos 100 primeiro dias do governo, o presidente afirmou que quase todas foram alcançadas. “Mais de 90% serão atendidos, 10% serão parcialmente [atendidos]”.
Bem humorado, ele comparou com a própria história. “Meu plano deu certo, pois saí do zero e hoje sou presidente. Se bem, olha só, eu estou rindo aqui, mas estou envelhecendo mais rápido. A barra é pesada.

Países árabes

Bolsonaro confirmou que recebeu convites para visitar países árabes, entre eles os Emirados Árabes, mas lembrou que respeita os palestinos e o Estado de Israel. “Não estamos em situação de buscar encrenca com ninguém. Quero é solução! Todos aqueles que puderem fazer negócios conosco, da minha parte, vão ter todo carinho e consideração.”

“Não posso concordar com grupos terroristas, pois estaria contra a minha biografia que combatia esse pessoal da ‘esquerdalha’ desde 70, quando era garoto. Meu compromisso é com Israel”, concluiu Bolsonaro.
Encontro com Maia

Jair Bolsonaro também afirmou que pode encontrar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para conversar. Segundo ele, quem prepara o encontro é o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em um jantar na sexta-feira (5/4).

O presidente, porém, não confirmou presença. “Estou com 64 anos, não dá para ter uma batida dessas. Complica, de repente estou com problemas de saúde”, alega. Em seguida, ele lembrou da época do Exército. “Sou paraquedista e sei do desgaste que é subir e saltar”, afirmou.

Mas ele afirmou que o encontro pode acontecer na capital do país. “Estou disposto a conversar. Posso ir até na casa do Maia. Até converso particularmente com ele, sem problema nenhum”, disse.

MP para impulsionar empregos

Sem entrar em detalhes, Bolsonaro confirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, trabalha em uma medida provisória (MP) para impulsionar a geração de emprego. “Está na Casa Civil. Tem termo que eu não entendo, mas pelas pessoas da Economia que conversaram comigo, tem tudo para tirar o Estado de cima do empreendedor”, afirma.

Ao ser questionado sobre as metas dos 100 primeiro dias do governo, o presidente afirmou que quase todas foram alcançadas. “Mais de 90% serão atendidos, 10% serão parcialmente [atendidos]”.
Bem humorado, ele comparou com a própria história. “Meu plano deu certo, pois saí do zero e hoje sou presidente. Se bem, olha só, eu estou rindo aqui, mas estou envelhecendo mais rápido. A barra é pesada.

Países árabes

Bolsonaro confirmou que recebeu convites para visitar países árabes, entre eles os Emirados Árabes, mas lembrou que respeita os palestinos e o Estado de Israel. “Não estamos em situação de buscar encrenca com ninguém. Quero é solução! Todos aqueles que puderem fazer negócios conosco, da minha parte, vão ter todo carinho e consideração.”

“Não posso concordar com grupos terroristas, pois estaria contra a minha biografia que combatia esse pessoal da ‘esquerdalha’ desde 70, quando era garoto. Meu compromisso é com Israel”, concluiu Bolsonaro.

Encontro com Maia

Jair Bolsonaro também afirmou que pode encontrar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para conversar. Segundo ele, quem prepara o encontro é o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em um jantar na sexta-feira (5/4).

O presidente, porém, não confirmou presença. “Estou com 64 anos, não dá para ter uma batida dessas. Complica, de repente estou com problemas de saúde”, alega. Em seguida, ele lembrou da época do Exército. “Sou paraquedista e sei do desgaste que é subir e saltar”, afirmou.

Mas ele afirmou que o encontro pode acontecer na capital do país. “Estou disposto a conversar. Posso ir até na casa do Maia. Até converso particularmente com ele, sem problema nenhum”, disse.

MP para impulsionar empregos

Sem entrar em detalhes, Bolsonaro confirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, trabalha em uma medida provisória (MP) para impulsionar a geração de emprego. “Está na Casa Civil. Tem termo que eu não entendo, mas pelas pessoas da Economia que conversaram comigo, tem tudo para tirar o Estado de cima do empreendedor”, afirma.

Ao ser questionado sobre as metas dos 100 primeiro dias do governo, o presidente afirmou que quase todas foram alcançadas. “Mais de 90% serão atendidos, 10% serão parcialmente [atendidos]”.
Bem humorado, ele comparou com a própria história. “Meu plano deu certo, pois saí do zero e hoje sou presidente. Se bem, olha só, eu estou rindo aqui, mas estou envelhecendo mais rápido. A barra é pesada.

Países árabes
Bolsonaro confirmou que recebeu convites para visitar países árabes, entre eles os Emirados Árabes, mas lembrou que respeita os palestinos e o Estado de Israel. “Não estamos em situação de buscar encrenca com ninguém. Quero é solução! Todos aqueles que puderem fazer negócios conosco, da minha parte, vão ter todo carinho e consideração.”
“Não posso concordar com grupos terroristas, pois estaria contra a minha biografia que combatia esse pessoal da ‘esquerdalha’ desde 70, quando era garoto. Meu compromisso é com Israel”, concluiu Bolsonaro.

Rosana Hessel – Enviada Especial
Fonte:Correio Brasiliense

Veja também

Bombeiros encontram corpo da última vítima desaparecida na Muzema

Vinte e três pessoas morreram na tragédia, cinco homens, sete meninos, dez mulheres e uma …