Início » Notícias » Educação e Cultura » Ministro da Educação apresenta diretrizes da pasta e responde senadores durante audiência pública
Ministro da Educação apresenta diretrizes da pasta e responde senadores durante audiência pública.

Ministro da Educação apresenta diretrizes da pasta e responde senadores durante audiência pública

Há pouco menos de um mês após a posse, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, compareceu à audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal para apresentar as propostas do governo em relação a educação no Brasil.
Questionado pelo senador Confúcio Moura (MDB-RO), se ele estava preparado para fazer a virada da qualidade da educação no país, o ministro disse que é um homem de metas e traz na bagagem a capacidade para fazer mudanças. Falou que possui qualificação robusta e a sua experiência de mais de 20 anos como gestor da iniciativa privada o qualifica para o cargo.
Confúcio enfatizou que o Brasil gasta 7% do Produto Interno Bruto (PIB) com a educação, e indagou o ministro quanto a competência de apresentar de forma concreta as metas para os próximos quatro anos. Questionou também se tem condição de liderar o movimento pela educação brasileira para chegar num mesmo patamar da Coréia do Sul, que gasta em média 6,3% do PIB na educação e é referência mundial. Weintraub ressaltou que a meta do governo é chegar ao nível chileno, e não aceita ficar abaixo. A educação chilena tem os melhores índices educacionais da América Latina.
Sobre a escola sem partido, um assunto polêmico que ganhou destaque nos noticiários, o senador Confúcio abordou o ministro. “Se uma escola tem um bom diretor e bons professores, o aluno aprende. Eu pergunto. A educação tem ideologia? A educação é de esquerda, é de direita? De que lado é a educação? A educação não é ensinar o menino a ler, escrever e entender? Não é esse o objetivo? Eu pergunto, como o senhor vai preparar os professores e diretores do Brasil. Que tempo, que prazo”? O ministro afirmou que a ciência não pode ter dogmas, não pode ter ideologia. Apenas ensinar, respondeu. Sobre o foco nos professores,Weintraub não deu prazos, e nem se manifestou.
Outro assunto que também não foi respondido pelo ministro foi sobre a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que inicia no próximo ano. Confúcio Moura indagou o que ele pretende fazer em 2020, para que as escolas brasileiras instrumentalizem para ministrar as três disciplinas básicas e essenciais e as oito disciplinas optativas.
Em tempo
O senador foi autor de um dos requerimentos para ouvir o ministro. O documento foi encaminhado no dia 9 de abril ao presidente da Comissão de Educação, senador Dário Berger (MDB-SC), um dia após a posse de Abraham Weintraub.

Fonte: Assessoria de Comunicação

Ministro da Educação apresenta diretrizes da pasta e responde senadores durante audiência pública
Há pouco menos de um mês após a posse, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, compareceu à audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal para apresentar as propostas do governo em relação a educação no Brasil.
Questionado pelo senador Confúcio Moura (MDB-RO), se ele estava preparado para fazer a virada da qualidade da educação no país, o ministro disse que é um homem de metas e traz na bagagem a capacidade para fazer mudanças. Falou que possui qualificação robusta e a sua experiência de mais de 20 anos como gestor da iniciativa privada o qualifica para o cargo.

Confúcio enfatizou que o Brasil gasta 7% do Produto Interno Bruto (PIB) com a educação, e indagou o ministro quanto a competência de apresentar de forma concreta as metas para os próximos quatro anos. Questionou também se tem condição de liderar o movimento pela educação brasileira para chegar num mesmo patamar da Coréia do Sul, que gasta em média 6,3% do PIB na educação e é referência mundial. Weintraub ressaltou que a meta do governo é chegar ao nível chileno, e não aceita ficar abaixo. A educação chilena tem os melhores índices educacionais da América Latina.
Sobre a escola sem partido, um assunto polêmico que ganhou destaque nos noticiários, o senador Confúcio abordou o ministro. “Se uma escola tem um bom diretor e bons professores, o aluno aprende. Eu pergunto. A educação tem ideologia? A educação é de esquerda, é de direita? De que lado é a educação? A educação não é ensinar o menino a ler, escrever e entender? Não é esse o objetivo? Eu pergunto, como o senhor vai preparar os professores e diretores do Brasil. Que tempo, que prazo”? O ministro afirmou que a ciência não pode ter dogmas, não pode ter ideologia. Apenas ensinar, respondeu. Sobre o foco nos professores,Weintraub não deu prazos, e nem se manifestou.
Outro assunto que também não foi respondido pelo ministro foi sobre a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que inicia no próximo ano. Confúcio Moura indagou o que ele pretende fazer em 2020, para que as escolas brasileiras instrumentalizem para ministrar as três disciplinas básicas e essenciais e as oito disciplinas optativas.

Em tempo
O senador foi autor de um dos requerimentos para ouvir o ministro. O documento foi encaminhado no dia 9 de abril ao presidente da Comissão de Educação, senador Dário Berger (MDB-SC), um dia após a posse de Abraham Weintraub.

Assessoria de Comunicação

Veja também

Bolsonaro cumprimenta apoiadores em ato em Brasília

Presidente estava acompanhado do ministro do GSI, Augusto Heleno Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro voltaram …