Início » Destaques » Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate
Senador Acir Gurgacz (PDT).

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

Senador Acir Gurgacz relata projeto que institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Cacau de Qualidade
A volta do protagonismo brasileiro na produção de cacau depende de mais investimentos em pesquisa e de ações como o fortalecimento da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac). Essa é a conclusão de um debate promovido pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), nesta terça-feira (15), sobre o avanço dos estudos e a importância da extensão rural para o incremento da cultura do cacau no Brasil. A audiência pública foi presidida pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO).

Ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Ceplac está presente em seis estados (Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Pará e Rondônia), além do Distrito Federal. O órgão existe há 62 anos e tem a missão de promover ações e atividades relacionadas ao desenvolvimento rural das regiões brasileiras produtoras de cacau e aos sistemas agroflorestais a ele associados.
Para o senador Acir Gurgacz só a união de todos em torno de uma política pública de longo prazo, com pesquisa, assistência técnica, extensão rural e crédito, poderá estimular a retomada do crescimento na produção e na exportação de cacau.
O Brasil já foi o maior exportador de cacau do mundo, com uma produção de quase 500 mil toneladas/ano. Hoje, ocupa a sétima posição na produção mundial e só um grande esforço coletivo do governo e dos produtores é que poderá colocar o país de volta no topo da produção, frisou Gurgacz.
O extensionista da Ceplac Ivan Costa e Sousa disse que o órgão nunca teve um projeto aprovado por programas de fomento. Ele criticou a diminuição dos recursos para a pesquisa e as dificuldades de acesso ao crédito pelos produtores. Além disso, segundo o debatedor, o alto número de pesquisadores aposentados, sem reposição, e a falta de uma política nacional de desenvolvimento da cultura do cacau são outros entraves do setor.
— O país precisa de um projeto porque, até agora, o governo não declarou o que quer do cacau do Brasil. A gente precisa saber: vamos plantar, renovar, ampliar áreas cultivadas, reduzir, aumentar produtividade? Vamos para onde? Do jeito que está não pode ficar — declarou.
O pesquisador da Embrapa Kepler Euclides Filho ressaltou que recursos para pesquisa não são gastos, mas investimentos. Ele ponderou que, se o Brasil tivesse desenvolvido estudos no tempo certo, o país não teria consumido tanto dinheiro com a eliminação de doenças como a “vassoura-de-bruxa”, que devastou a lavoura cacaueira na Bahia na década de 1990. Para Kepler, a volta da liderança brasileira nessa cultura também passa pela capacitação dos produtores e por um esforço conjunto de instituições como a Ceplac.
— Quanto mais nos fortalecermos nesse aspecto, inclusive com o apoio da classe política e com a disposição das universidades, mais poderemos fazer a comunicação das tecnologias e capacitar nosso pessoal de campo, aperfeiçoando os sistemas de produção.
Aurelino Moreno da Cunha Neto, da Associação dos Municípios do Sul, Extremo Sul e Sudeste da Bahia, observou que a lavoura cacaueira já gerou milhares de empregos e renda para o país. Ele também pediu empenho dos parlamentares no fortalecimento da Ceplac e mais recursos para o desenvolvimento de tecnologias de combate a pragas, por exemplo.
— Peço apoio a todo esse grupo político, e parabenizar a todos os outros estados, também preocupados como nós, da Bahia. E que todos nos unamos para combater pragas como foi a “vassoura de bruxa”, que tanto prejudicou a nossa região.
Vontade política
O autor do requerimento para a audiência pública, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), considerou importante para o país discutir o trabalho de extensão rural da Ceplac, especialmente em favor dos pequenos e médios produtores. Para o parlamentar, a volta do Brasil ao topo da produção e comercialização do fruto também é uma questão de vontade política e de investimentos.
Dados do Mapa, citados por Acir, indicam que foram produzidas no país, em 2018, cerca de 180 mil toneladas de cacau, numa área de 745 mil hectares. A produção gerou 4,5 mil empregos diretos nas fábricas, moedoras e beneficiadoras, movimentando cerca de R$ 14 bilhões no período. O Brasil, no entanto, já foi o maior exportador de cacau no mundo, com uma produção de quase 500 mil toneladas por ano. Atualmente, o país ocupa somente a sétima posição no ranking mundial.
— A retomada da produção e da qualidade do cacau brasileiro é o nosso desejo e o principal objetivo do Projeto de Lei 4.107/2019, de autoria do senador Angelo Coronel (PSD-BA) e relatado por mim. A proposta contempla a sustentabilidade econômica, social e ambiental do cacau e garante ao produtor acesso a todas as linhas de crédito para incentivo à atividade – explicou Acir.
Ao ressaltar a importância do cacau e de seus derivados para a economia nacional e para a geração de emprego, principalmente no campo, o senador observou que a intenção é incrementar essa atividade econômica recuperando áreas degradadas e sem promover devastações.
Secretário adjunto da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa, Pedro Alves Corrêa Neto destacou o potencial do Brasil para retomar o destaque na cadeia mundial de produção do cacau. Ele disse que o governo enxerga a grandiosidade das associações produtivas e é consciente dos desafios, principalmente relacionados à organização das estruturas de apoio, como a Ceplac.
Neto informou que a ministra Tereza Cristina determinou a criação de um grupo de trabalho formado por entidades que entendem do assunto e reconhecem a grandeza do setor. O intuito, segundo o secretário, é ajudar o país reassumir o patamar de produção do passado, requerido até mesmo pela indústria nacional.
— Estamos falando de tecnologia, de aumento da renda, do fortalecimento do produtor e de desenvolvimento regional. O Ministério reconhece e sabe a diferença entre fazer pesquisa, gerar aprendizado e transferir esse conhecimento para o campo. Nosso desafio é sempre refletir sobre maneiras de fortalecer essa cadeia produtiva, inserida no setor agropecuário, tão robusto neste país — ponderou.
e-Cidadania
Internautas de vários estados enviaram comentários sobre a audiência pública, por meio do portal e-Cidadania, do Senado. Para Lázaro Gomes Rodrigues, do Espírito Santo, se as cooperativas fossem melhor utilizadas, geridas e fiscalizadas, poderiam ajudar a promover um avanço sobre a produção do cacau no país. Chirley Diniz, da Paraíba, disse que os pequenos produtores precisam de mais acesso a créditos bancários para investirem na cultura, além de mais oportunidades para renegociar dívidas.
Isabella Andrade da Costa, do Amazonas, considerou importante o avanço da pesquisa e o apoio contínuo das organizações, para que o potencial brasileiro no setor seja melhor explorado. Já Marcus Vinicius Oliveira Rios, da Bahia, escreveu: “É extremamente importante que não se preocupem apenas com o aumento da produção, mas, também, com a qualidade do produto, priorizando a saúde”.

Fonte: Assessoria

Veja também

Drogas apreendidas em avião, no aeroclube, são avaliadas em R$ 4 milhões

O nome da empresa, do piloto e dos suspeitos responsáveis pelos entorpecentes serão mantidos em …