Início » Notícias » CPI | Ex-funcionário da ENERGISA da Paraíba pode comprovar Modus Operandi da empresa em (RO), cita Redano
CPI da ENERGISA descobre convênio de R$704 mil entre Polícia Civil e ENERGISA e pede suspensão de convênio.

CPI | Ex-funcionário da ENERGISA da Paraíba pode comprovar Modus Operandi da empresa em (RO), cita Redano

Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da ENERGISA, na Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia, Alex Redano (PRB), em entrevista no início da tarde desta segunda-feira (21), no programa audiovisual da REDETV – FALA RONDÔNIA, liderado pelo jornalista Marcelo Bennesby. Declarou a população ao ser interpelado que o Instituto de Pesos e Medidas (IPEM) não faz a perícia no relógio para comprovar qualquer tipo de adulteração na distribuição de energia elétrica.
Segundo o deputado estadual Alex Redano, essa informação robusta foi repassada a CPI pelo próprio IPEM na última Oitiva da comissão. De acordo com o legislador, a peça chave para essa perícia nos relógios da ENERGISA em Rondônia, chama-se Sidney Sandrini. Esse paraibano, confirmou em testemunho ao Poder Judiciário daquele Estado, que o conglomerado elétrico mineiro inseria essa possível adulteração nos relógios dos consumidores da Paraíba (PB). Com a tática do “Fio Preto”, o consumo de energia elétrica atingia os patamares estratosféricos.

O parlamentar estadual Alex Redano convocou Sandrini para as reuniões da CPI da ENERGISA em Rondônia, mas até o momento o paraibano não compareceu. Redano está perplexo com a decisão judicial que impede Sidney Sandrini de expressar nas suas redes sociais sobre o caso da adulteração dos relógios/medidores. Sob pena de multa de R$ 8 mil reais por dia. O Modus Operandi da ENERGISA, conforme as informações da Comissão Parlamentar de Inquérito, é contratar bancadas de escritórios de advocacia, se infiltrar nos Poderes Executivo e Judiciário para assim impor o seu mercado aos consumidores. No Acre e no Mato Grosso a atuação da ENERGISA seguiu esse rito. As linhas de investigações preliminares dos legisladores desses Estados, é que os abusos são semelhantes com o de Rondônia.
O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Alex Redano, vem criando uma rede Networking entre legisladores estaduais e federais do Brasil para combater esse Modus Operandi da ENERGISA, aplicado com apoio da ANEEL nos Estados da Amazônia Legal. Amanhã (23), a partir das 14h00, uma nova oitiva será reaberta para que assim possa o Poder Legislativo do Estado de Rondônia representar de verdade a população lesada pelo capitalismo maníaco dos empreendedores do sistema elétrico do Brasil.


mapping.com.br – Maique Pinto

Veja também

Drogas apreendidas em avião, no aeroclube, são avaliadas em R$ 4 milhões

O nome da empresa, do piloto e dos suspeitos responsáveis pelos entorpecentes serão mantidos em …